terça-feira, 14 de abril de 2009

COM O ESPÍRITO INCORPORADO


Sempre digo que o kardecismo é muito mais tolerante que a Umbanda.

Na mesa um espírito incorpora, deixa uma linda mensagem de amor ou de advertência para os perigos mundanos sem a necessidade de dizer seu nome.

Na umbanda ele tem que incorporar no ponto de chamada, com a tipicidade da linha (caboclo, preto-velho ou criança), cumprir todas as ordens da hierarquia do terreiro, riscar o seu ponto individual, beber, fumar e dar seu nome, correndo o risco de, se não cumprir tudo, ser chamada a sua atenção.
Claro que tudo será feito com cautela e tempo de treinamento.
Para chegar a isso, o médium passa uma dificuldade de saber o que fazer dentro do terreiro.
Ele está incorporado com a Entidade, sentindo toda sua energia, mas ainda falta muito para dar o passo certo como cavalo bem domado, chegando mesmo em alguns momentos achar que o espírito se afastou, fato explicado pelo impulso mental do médium. Nessa parte quero chamar a atenção de um fato de grande importância.

Dificilmente um médium é sonâmbulo (ou inconsciente, como alguns dizem), sendo o mais comum o médium consciente, aquele que sabe o que está acontecendo mas não tem o controle das palavras e dos gestos.

É o que chamamos de terceira energia.

Vejam como funciona:
existe uma fusão do espirito do médium com o espírito comunicante, criando-se uma terceira energia.
Gosto de dar exemplos. O café e o leite, separados, são puros.
Misturados criam uma terceira bebida, podendo ser mais preto ou mais branco, conforme a quantidade das bebidas. Mas sempre, a união de ambos, terá uma terceira qualidade.

É impossível a comunicação pura do espírito.
O importante é a presença do espírito, com maior ou menor intensidade.

Voltando ao médium perdido no terreiro, o seu impulso inicial é procurar alguém para lhe dar um passe ou tocar em sua testa.
Muitos dirigentes não gostam desse procedimento e inibem o espírito de fazer isso, o que é um erro porque, talvez até mais que o próprio dirigente, é o espírito quem quer o desenvolvimento de seu cavalo escolhido.

Recomendo para minha hierarquia deixar que isso aconteça, sem exageros, é claro.

Com o decorrer do tempo esse médium ganha um charuto, cachimbo ou cigarro de palha, conforme a entidade, e é quando ele começa a se acalmar, até procurar um lugar para sentar.

Daí para riscar o ponto é bem mais rápido.

Quero anotar aqui, para conhecimento dos médiuns em desenvolvimento, alguns erros que atrapalham bastante a evolução da mediunidade:
- não procurar, sob nenhuma hipótese, tentar adivinhar o nome do espírito;
- não querer riscar o ponto sem antes estar bem assentado com a entidade;
- não tentar dar avisos e recomendações a ninguém;
- não ter ciúmes do espírito e não pensar que ele é seu, porque espírito não tem dono.

1 - É comum o médium incorporado procurar um amigo seu para lhe dar um passe ou falar com ele, e isso não invalida a incorporação e não quer dizer que foi o médium que procurou e não o espírito, principalmente porque a entidade sabendo das dificuldades de seu cavalo tenta de todas as formas facilitar a incorporação. Alguém já me perguntou como o espírito sabe que a pessoa é amiga do médium. Respondi convicto: mais do que o guia ninguém conhece tanto os amigos de seu protegido.

2 - É fundamental ao médium confiar nos dirigentes do terreiro.
Incorporem que as pessoas responsáveis estão lhe cuidando.
Eu na primeira vez que fui ao terreiro da Umbanda, senti a incorporação e saí dando passes para o ar e quase caí dentro do Congá. Meu pai-de-santo carinhosamente ajudou-me a levantar e disse:
você não está na mesa kardecista, e sim em um Terreiro de Umbanda.
Com o tempo você aprende!

autor desconhecido

3 comentários:

  1. Olá Áurea,
    Este texto é do Pai Fernando de Ogum, dirigente material do Terreiro do Pai Maneco, e pode ser encontrado no site do Terreiro, no seguinte link: http://www.paimaneco.org.br/filosofia_orientacao_espirito_incorporado.asp
    Um abraço!

    ResponderExcluir
  2. Oi! por gentileza, vc poderia me esclarcer uma dúvida...É possível trocar de orixá pois das duas vezes quando jogaram búzios me falaram que eu era oxum docó, anos atrás. Mas recentemente joguei pela terceira vez e me disseram que sou oxum ossanha. Isso é possível? Meu email é dizepoa@gmail.com

    ResponderExcluir
  3. nossa esse texto é muito esclarecedor !! e é exatamente tudo isso que aconteçe com um medium em desenvolvimento .espero que muitos iniciantes leiam isso .pois vai ajudar muito!!e´um periodo de muitas duvidas e insegurança. axé a todos

    ResponderExcluir