domingo, 1 de fevereiro de 2009

O CICLO MENSTRUAL E SUA INFLUÊNCIA NA RELIGIÃO.


Meus irmãos, venho com um tema que já me chamava atenção um bom tempo, para mim não é fácil falar neste assunto não por ser homem mas é um assunto delicado, não me constrange, mas na verdade o que me levou a escrever sobre o assunto foi depoimentos de irmãs que falavam que nas casas onde trabalham sempre trabalharam tranquilamente no período do ciclo menstrual.

Vejam que o que vou relatar abaixo, é um trabalho de pesquisa e do que aprendi com minha Mãe de Santo, e também não tenho intenção alguma de afirmar que estou certo e os outros errados, quero dividir com os irmãos uma inquietação minha a respeito do tema.

Tensão Pré-Menstrual (TPM):

A mulher dentro do ciclo menstrual passa por transformações psíquicas de alteração de comportamento, isso ocorre de acordo com cada mulher e pode acontecer antes, durante ou depois da menstruação. Este estado emocional pode ocorrer em diferentes graus de intensidade causando reações de choro, depressão, raiva entre outros.

Já neste período o dirigente tem que observar se a médiun é uma trabalhadora de gira tem que ficar afastada, pois seu estado de concentração fica prejudicado, sua energia se transforma dentro do equilíbrio pessoal e espiritual, esta energia passa para o pólo negativo, assim a pessoa despreparada estará atraindo as forças negativas espirituais. Não é intencional este fenômeno mas é decorrência da desarmonia psicológica dentro do estado em que se encontra a médiun.
Assim, é justamente por essa inconstância vibratória, que a mulher não pode exercer a função de comando em escolas de iniciação. Queremos deixar claro que não somos machistas e somos avessos ao preconceito, mesmo porque, a evolução psicológica em nossa sociedade não dá espaços para atitudes radicais e preconceituosas, a ponto de hoje entendermos que homem e mulher são igualmente filhos de Deus e cada um em seu caminho pode alcançar sua realização pessoal e transcendental em harmonia com seu par . Mas, como homem e mulher são diferentes a nível físico, emocional e mental, na Umbanda, a mulher só pode assumir o comando em agrupamentos esotéricos ou terreiros onde não há uma manipulação efetiva da magia , desde que no período menstrual seja substituída por um homem (sacerdote).
A menstruação é a expressão da feminilidade, da fertilidade e da receptividade. A mulher vive neste ritmo lunar e deve submeter-se a ele com todas as limitações que ele representa. Esta submissão é o aspecto principal da feminilidade: a capacidade da mulher de doar a si própria


Quando falamos de polaridades não devemos emitir nenhum tipo de julgamento preconceituoso: o positivo não é melhor do que o negativo, já que este não existiria sem aquele. Portanto, a Água não irá se sentir inferior por não ter as qualidades do Fogo. Cada um possui suas qualidades e não deve 'invejar' as qualidades do outro! É por causa destas diferenças de polaridade que existe "a vida"! Assim, a mulher não deve se sentir inferior por causa da sua própria natureza feminina!!! A receptividade e a capacidade de aceitar é algo muito difícil para o homem, já que ela pede a renúncia de sua própria vontade, de seu próprio egocentrismo.

A Menstruação.


Cientificamente falando a menstruação é o final de uma série de eventos produzidos por hormônios dependentes uns dos outros e estimulados pelo hipotálamo, hipófise e ovário . Esses eventos determinam uma série de modificações fisiológicas no organismo que visam prepará-lo para o coito e a gravidez. O conjunto dessas modificações que se repetem periódica e temporariamente, inclusive a menstruação, é chamado de ciclo menstrual.
O hipotálamo, região do sistema nervoso central, que sofre ação de estímulos externos, realiza uma secreção intermitente de um hormônio chamado GnRH, o qual estimula a hipófise, glândula mestra do organismo, a produzir os hormônios LH e FSH, que por sua vez estimulam os ovários a fazerem o crescimento folicular e produzir os hormônios femininos, estrogênios e progesterona. Esses agem sobre todo o sistema genital, causando, por exemplo, o crescimento do endométrio, camada de glândulas que reveste o útero. É isso o que a mulher menstrua aproximadamente a cada 30 dias.


Dentro da espiritualidade devemos observar que a menstruação é renovação por isso quando esta se renovando internamente, esta com seus chácaras abertos, propenso a receber todos os tipos de energias, novamente se pede toda cautela e a filha dentro deste período tem que ficar afastada dos trabalhos pois este momento é muito delicado, os dirigentes mais cuidadosos deve neste período manter a filha com proteção de acordo com cada casa, no nosso caso recomendamos o uso de contra-egun, banhos, e não participa de nenhum ato sagrado dentro da religião, isso vale para todos os cargos exercidos pela mulher dentro da casa.


Dentro da religião.


A muitas casas que proíbem a mulher de adentrar a qualquer tipo de trabalho, outras mais radicais nem na assistência é permitido, mas o importante a saber é que existe um efeito dentro do físico que interfere no espiritual pois sua ligação é de causa e efeito.


O médium como elo de ligação entre o visível e o invisível, deve se preocupar em manter a serenidade mental no seu dia a dia para que pensamentos difusos são sejam cultivados porque promovem uma sintonia com entidades espirituais de baixa estirpe moral.


Outro ponto importante não relativo à sexualidade mas a sexo, é o fato de que no período pré-menstrual e na menopausa, o organismo provocar alterações psíquicas decorrentes da t.p.m. (tensão pré-menstrual) ENTRE OUTROS FATORES , portanto, a mulher sofre fortes influências psíquicas regidas pelo ciclo menstrual que, como o ciclo lunar é de 28 dias.


E o fato da mulher ter ciclos negativos como a lua (cheia e minguante) é de conhecimento de culturas antigas pois, em tribos indígenas a mulher fica isolada no período menstrual, longe de seus afazeres habituais.


Uma questão importante.

Volto a repetir que não é com estas observações que as casas que liberam suas médiuns estejam erradas, dentro do meu ponto de vista procuro preservar as mesmas por uma questão espiritual e de saúde mesmo, para que ela possa estar sempre bem e disposta para o seu compromisso com a religião.


Outra coisa que quero destacar, o papel fundamental que tem a mulher nas religiões afro-brasileiras, sem sombra de dúvida a mulher é o alicerce desta religião os postos de comando estão na sua maioria em suas mãos, seu discernimento e sapiência para resolver as situações dentro da casa, são muito mais engajadas e procuram aprofundar na religião muito mais que nós homens.


Acho importante continuarmos este debate, até porque temos muito a aprender com as mulheres, e não devemos ser omissos a questões que são muito importantes não só para mulheres mas também para nós homens, discutir a questão de gênero e suas influências dentro da nossa religião é necessário, sei que não vamos aprofundar mas é o inicio de um ciclo de discussão franco e no meu ponto de vista importante.

Axé irmãos.............

Fonte: estudoreligioso.wolrdpress.com

2 comentários:

  1. Texto explicativo com relação as hormônios femininos e o ciclo menstrual como pode afetar o comportamento físico e mental da mulher, essa alteração a deixa receptiva, não só à fertilização e também ao aumento da acuidade mental. presumo que, a mulher nesse período não esteja impura espiritualmente, ao contrário, por motivos óvios encontra-se mais poderosa. considerando que o candomblé Ketu é brasileiro com princípio matriarcal, oriundo da sociedade Gelede, a qual representa a forca feminina, também foram colhidos preceitos de sociedades estritamente masculinas sociedade Oro e Ogboni, acredito que as matriarcas do passado e as iya atuais possam aceitar que fiquem impuras em determinados dias em desvantagens com o homem, desde que a visão do candomblé é ampla e variada.

    ResponderExcluir
  2. Texto explicativo com relação as hormônios femininos e o ciclo menstrual como pode afetar o comportamento físico e mental da mulher, essa alteração a deixa receptiva, não só à fertilização e também ao aumento da acuidade mental. presumo que, a mulher nesse período não esteja impura espiritualmente, ao contrário, por motivos óvios encontra-se mais poderosa. considerando que o candomblé Ketu é brasileiro com princípio matriarcal, oriundo da sociedade Gelede, a qual representa a forca feminina, também foram colhidos preceitos de sociedades estritamente masculinas sociedade Oro e Ogboni, acredito que as matriarcas do passado e as iya atuais possam aceitar que fiquem impuras em determinados dias em desvantagens com o homem, desde que a visão do candomblé é ampla e variada.

    ResponderExcluir